PAUL BOCUSE É A FRANÇA! UMA EXPERIÊNCIA CULTURAL E GASTRONÔMICA.


Menu degustação escolhido por nós e ilustrado por minha filha Luiza.



Ano passado, tive a oportunidade de ir ao Paul Bocuse, o restaurante que leva o nome do renomado chefe francês, falecido em 2018.


Na época, o restaurante ainda sustentava por mais de 50 anos, as 3 estrelas Michelin. Todavia, perdeu uma delas em janeiro desse ano.


Quando Paul Bocuse morreu, o ministro do interior da França, Gerard Collomb, fez a seguinte declaração: Paul Bocuse está morto, a gastronomia está em luto.

Sr. Paul, era a França. Simplicidade e generosidade. Excelência e estilo de vida.”


Para mim, fica a ideia de que ele era mesmo a França. Sua grandiosidade e olhar aguçado para os detalhes, justificam esse título ou essa honra.


Enfim, o fato é que antes de chegar lá, confesso que estava meio apreensivo.

O restaurante, um ícone da gastronomia mundial, me intimidou.

O que vestir? Como me comportar? Será que é um ambiente muito esnobe?


Qual não foi a minha surpresa ver que o lugar, embora pomposo, era muito caloroso.


Para começar, chegamos de ônibus em Collonges-au-Mont-d’Ór, há 20 minutos do centro de Lyon. Atravessamos a ponte e vimos de longe o restaurante de “beira de estrada”(sim, ele fica bem pertinho da estrada dessa pequena vila da França). Muito colorido, é visto de longe. E só de ler o nome Paul Bocuse no topo do restaurante, já emociona.


Muitas foram as coisas que me impressionaram por lá:

A primeira delas foi a forma cordial com que fomos recebidos e encaminhados para a mesa.

Os franceses que têm fama de não serem muito simpáticos, na verdade são muito bem educados e cerimoniosos. Se você responde à altura, sendo solicito também, são muito gentis.


E assim foi do começo ao fim da experiência.





A toalha da mesa, clássica, alva e sem nenhum vinco também me chamou a atenção.

Os talheres, louças e taças, customizados para o restaurante foram outra atração.

E o distanciamento das mesas? Mesmo antes do coronavírus, a distância já era maior do que 2 metros entre uma mesa e a outra, o que te deixa muito à vontade para degustar as delícias do lugar.

O maître, mais gentil, impossível. Assim como os garçons e o sommelier.


Abrimos os trabalhos com uma taça de champanhe.

Vieram os amuse-bouche com dizem os franceses, no caso, canapés lindos e saborosos.

O sommelier sugeriu um vinho branco para dar sequência ao champanhe. Excelente.





Pedimos as entradas: fois gras em diferentes interpretações e escalopes de foi gras. Minha avó era francesa e acho que herdei dela essa preferência por fois gras. E não me arrependi. Derretiam na boca e combinavam perfeitamente com o vinho branco.

E, claro, acompanhados por pão e manteiga dos deuses.





Trouxeram um vichyssoise, uma sopinha tradicional da França, cuja base é feita de alho-poró e batata. A melhor que já degustei na vida.


E aí, sempre com bons intervalos, para você degustar sem pressa as delícias servidas no restaurante, chegou o prato principal.

Pedimos o mais tradicional do restaurante: Loup en Croûte Feuilletée, o equivalente ao robalo aqui no Brasil envolto a uma massa folhada crocante e molho choron, uma espécie de molho béarnaise com adição de molho de tomate.


A excelência do prato, fez jus à fama mundial que ele tem. A delicadeza, o ponto do peixe e a crocância da massa fez a minha boca encher de água de novo, aqui mesmo na frente do computador. Muito bom, inacreditavelmente bom.


E a essa altura, já estávamos felizes como os personagens do filme A festa de Babette.


E ainda veio a sobremesa. Como tínhamos optado por um menu completo, podíamos escolher o que quiséssemos do carrinho de doces e do carrinho de queijos!


Achávamos que não conseguíamos mais comer, mas por incrível que pareça, com os intervalos entre um prato e outro e a qualidade da comida, que não pesava no estômago, comemos a sobremesa, os queijos e o café; perfeito.


E por fim, petit fours.





Fomos até lá comemorar o aniversário da minha caçula, que assim como eu, ama comer bem.


Quando souberam que era o seu dia, trouxeram um lindo bolinho, cantaram parabéns — muito simpáticos — e nos deram o bolo para levarmos para casa, que, pasmem, comemos de noite! E era dos deuses também.


Ainda como homenagem a um dia tão especial, nos convidaram para conhecer o chefe, a cozinha e a adega do Paul Bocuse.

Na verdade são duas adegas: uma no nível do restaurante com 20 mil garrafas. Outra, uma cave subterrânea com uma quantidade ainda maior. Vinhos de qualidade superior desde o mais simples ao mais requintado.

Ficamos encantados.

Saímos de lá saltitando de felicidade.


Como disse o ministro francês, Paul era mesmo a França, a síntese de um país tão rico culturalmente.


O filho de Bocuse continua a tocar o restaurante. Perdeu a estrela, não pela falta de qualidade do local, mas por algumas exigências de modernidades.





O fato é que restaurante é paixão. É ofício.


Como disse Alex Atala, não é um negócio para ganhar dinheiro apenas — até porque é bem complexo —, tem de haver paixão. Dar o sangue por ele.


E o restaurante Paul Bocuse é tudo isso. Uma experiência sublime de generosidade e de amor.



Quer saber mais?

PARA SEU RESTAURANTE LUCRAR MAIS

CURSOS ON-LINE

PLANILHAS EXCLUSIVAS

CURSOS PRESENCIAIS


223 visualizações
CONTATO PARA CONSULTORIA

Para consultoria presencial ou online (via skype),
use o formulário de contato para contar um pouco
sobre o seu negócio.

Rua Depu​​tado Lacerda Franco, 300 — 19º andar

São Paulo, SP — Brasil

Tel: + 55 11 3030 9500​

contato@christianconsult.com.br

  • Preto Ícone YouTube
  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon

© 2019 by Christian Consult | Christian Consult - Inteligência Para Restaurantes | CNPJ 26.694.561/0001-21 | Entrega imediata